Escolhendo o lado de dentro…

meninos

Esse semana eu estou especialmente feliz e quero dividir isso c’ocêis tudo, minhazamiga e meuzamigo! Depois de muito pensar, colocar na balança, alimentar planilhas de gastos, pensar mais um pouquinho… nós decidimos aqui em casa que eu diminuiria minha carga de trabalho e, finalmente, a burocracia andou e a decisão se concretizou! Desde que eu voltei da licença maternidade, muita coisa mudou por aqui. Algumas para melhor… Eu voltei a conviver com meus amigos de trabalho e voltei a perceber o quanto minha profissão é importante pra mim. Ela me desafia todos os dias, aguça a minha curiosidade, me provoca a buscar soluções… e principalmente, me coloca ao lado de pessoas fragilizadas na doença. Pessoas que lutam para viver. Faz parte do meu trabalho. Eu me solidarizo e, obrigatoriamente, eu tenho que lutar junto com elas por sua saúde e pelo seu conforto. Nessas situações, eu sou frequentemente lembrada da fragilidade da vida. Levada a refletir sobre as opções que eu faço para a minha própria vida, como eu quero aproveitar o meu tempo, que marcas eu tenho a oportunidade de deixar para as pessoas do meu convívio.

Mas também tivemos mudanças difíceis. As maiores delas… eu vivo cansada, consumida, me arrastando por aí… rs. Com menos disposição para cuidar da fiarada! Conversando menos com o marido. A casa tá largada, minhas plantinhas estão sofrendo de carência… até esse bloguénho aqui andou sofrendo de abandono por uns tempos. Afe, Maria!.. Óbvio, eu sei que não sou a única, nem a mais sofrida das mulheres que se desdobram em mil para dar o necessário à sua família. Mas, por aqui, a gente decidiu dar uma reavaliada nas opções. Em vez de 38h por semana, vou passar a trabalhar 20h.

Tenho plena consciência de que o grande ganho disso será meu. Eu é que vou passar a ter um tempo mais livre, menos corrido, para estar com os pequenos e aproveitar essa infância que passa tão rápido. Nessa fase da vida em que eu tenho a chance de tentar ajudá-los a construir uma visão positiva do mundo e trazer tranquilidade para que eles compreendam os próprios sentimentos e se relacionem da melhor forma possível com seus pares e com eles mesmos… EU quero estar por perto. Essa decisão é para mim!

Em breve, eles estarão maiores, vão começar a andar longe de nossas asas… aí sim, eu voltarei a dedicar mais tempo para a minha profissão. Essa é a minha perspectiva nesse momento.

E, sim, o Lá de Casa vai poder continuar a pleno vapor! Ficai fry, pipou! 😉

OBS: (Não acho que puxar o freio de mão no trabalho é a escolha óbvia para qualquer mãe… Existem muitas realidades diferentes, desde as pessoas que não querem abrir mão de uma carreira a pleno vapor [e que levam isso lado a lado com a vida em família], até aquelas que simplesmente não podem abrir mão da grana no final do mês. Isso com zilhões de fatores entre um e outro espectro. A escolha que fizemos aqui em casa foi simplesmente a que cabe para a NOSSA família nesse momento. Uma escolha, dentre tantas possíveis.)

E vamo que vamo, que hoje é segunda-feira, tá um frio de rachar o osso, mas o sol apareceu pra secar a roupa no varal! Rs

Add a comment...

Your email is never published or shared. Required fields are marked *

POSTS RECENTES

FAVORITOS DE TODOS OS TEMPOS